CAT PEOPLE (1942) – JACQUES TOURNEUR









Cat People é o primeiro filme produzido por Val Lewton para a RKO, dando início a uma série de filmes de terror de baixo orçamento que viria a marcar a história do género. Desta colaboração surgiram, também, I Walked with a Zombie (1943) e TheBody Snatcher (1945).
Irena Dubrovna é uma emigrante sérvia nos EUA, que vive atormentada pelas lendas da sua terra natal. Irena pensa que a consumação do seu amor por Oliver (um Americano que conhece diante da jaula de uma pantera, no jardim zoológico) e o ciúme a transformarão numa pantera feroz. Em Cat People, a relação entre terror (morte) e sexualidade é posta a nu e domina a narrativa, característica que se viria a tornar uma das pedras de toque do cinema de terror moderno. A personagem de Irena, brilhantemente interpretada por Simone Simon, exerce um fascínio particular pela sua combinação de força, estranheza e fragilidade e pelo facto de ser uma outsider, isolada naquele meio em que ninguém acredita nela nem a compreende. Mesmo quando começa a ceder à sua natureza selvagem, continua a despertar-nos mais simpatia do que os restantes personagens, que a tratam com condescendência e conspiram para a afastar. O contraste entre Irena e os “outros” é utilizado para fazer um contraponto entre o modo de estar americano (racional, céptico) e o pensamento mítico associado a povos com raízes mais tradicionais. De acordo com a estética dominante do filme, a veracidade das superstições de Irena nunca é investigada a fundo nem explicada, sendo mantido o mistério, mais uma vez, através da sugestão.
Realizado por Jacques Tourneur, Cat People foi um sucesso comercial garantindo uma sequela, The Curse of the Cat People (1944). Considerado um filme extremamente influente no género de terror, introduzindo variadas inovações que viriam a ser adoptadas daí em diante (muitas delas tornando-se mesmo clichés), é um dos grandes percursores do cinema noir. O seu baixo orçamento é responsável por muitas das mais valias do filme e por várias das características que o tornaram tão importante e influente. Como não existiam meios para efeitos especiais sofisticados, Tourneur e Lewton optaram por explorar o poder da sugestão, recorrendo a belos jogos de contrastes entre luz e sombra e a uma montagem tensa. Duas das cenas mais famosas do filme, a cena da perseguição pelo Central Park e a cena da piscina (ambos os vídeos publicados acima) sobressaem, devido à forma como utilizam estas duas características para gerar um ambiente de perigo iminente. Apesar de nunca vermos a “besta”, a sua presença é ameaçadora e imponente. A cena da perseguição é uma das mais imitadas da história do cinema de terror.
Em 1982 foi realizado um remake por Paul Schrader, com Nastassja Kinski no papel de Irena. Ao contrário do Cat People original de 1942, e apesar de também ter os seus méritos, perde muita da ambiguidade e mistério que compõem o filme de 42.


______________________________________________________________________

Cat People is the first film produced by Val Lewton for RKO, beginning a series of low budget horror films that would mark the history of the genre. From this collaboration emerged, also, I Walked with a Zombie (1943) and The Body Snatcher (1945).
Irena Dubrovna is a Serbian immigrant in the U.S., tormented by living legends of her homeland. Irena believes that the consummation of her love for Oliver (an American whom she meets in front of a panther cage at the zoo) and jealousy will transform her into a ferocious panther. In Cat People, the relationship between terror (death) and sexuality is laid bare and dominates the narrative. This feature would become one of the touchstones of modern horror cinema. Irena's character, brilliantly played by Simone Simon, causes a particular fascination due to its combination of strength, fragility and strangeness by virtue of being an outsider, isolated in a place where  no one understand or believes in her. Even when she starts to give in to her wild nature, Irena continues to arouse us more sympathy than the other characters, who treat her with condescension and conspire to pull her away. The contrast between Irena and the "other" is used to make a contrast between the american way of being (rational, skeptical) and a mythical way of thinking, with more traditional roots. According to the dominant aesthetic of the film, the truth of the superstitions of Irena is never fully investigated or explained, the mystery being held, once again, through suggestion.
Directed by Jacques Tourneur, Cat People was a commercial success guaranteeing a sequel, The Curse of the Cat People (1944). Considered a highly influential film in the horror genre, it introduced various innovations that would be adopted thereafter (many of them becoming clichés), it is considered to be a major precursor of Film Noir. Its low-budget accounts for many of the gains of the film and several of the characteristics that made him so important and influential. Since there were no means to have sophisticated special effects, Tourneur and Lewton chose to explore the power of suggestion, using the beautiful game of contrasts between light and shadow and a tense montage. Two of the most famous scenes of the movie, the chase scene through Central Park and the pool scene (both videos posted above) stand out because of the way they use these two features to generate an atmosphere of impending danger. Despite never seeing the "beast", its presence is menacing and imposing. The chase scene is one of the most imitated in the history of horror cinema.
In 1982 a remake was done by Paul Schrader, with Nastassja Kinski in the role of Irena. Unlike the original Cat People 1942, and despite its own merits, it loses a lot of the ambiguity and mystery that make up the 42 film.


Sem comentários:

Publicar um comentário